Casa Branca eleva médias em megaleilão em Minas Gerais

Uma verdadeira maratona de bons negócios tomou conta do 5º leilão Primavera da Casa Branca Agropastoril que, depois de 12 horas de martelo acelerado, somou RS 3,2 milhões, resultado de vendas de 175 animais, além de embriões e sêmen para 17 estados. Puxando as vendas, os 49 exemplares da raça Angus comercializados renderam R$ 1,27 milhão, movimento forte e pista aquecida no espaço de leilões montado em plena Fazenda Santa Ester, no município de Silvianópolis (MG), berço da seleção genética da cabanha. A média das fêmeas Angus fechou em R$ 28.168,50 e dos machos, em R$ 20.627,00. Segundo o criador Paulo Marques, os valores médios do leilão ficaram 28% acima do resultado de 2018. “A média foi maravilhosa. Parceiros como esses não têm melhor para se arrumar”, disse, referindo-se aos amigos e pecuaristas que investiram adquirindo cotas de reprodutores da Casa Branca.

 

Casa cheia: Fabiana Marques, Rodolfo Bonfiglioli, Paulo Marques e Fabiano Menotti

O lote mais valorizado na raça Angus foi a reservada de grande campeã da Expointer 2019, PWM Alina TEICB2485 Erica, que entrou em pista para venda de cota de 50%, mas acabou dividida entre três criatórios. Além da Casa Branca, que resguardou cota de 33,3% da vaquilhona, a Fazenda São Marco, de Itapeva (SP), do criador Rodolfo Bonfiglioli Neto, e o criador e cantor sertanejo Fabiano Menotti entraram na sociedade, desembolsando cada um R$ 50 mil por cotas de 33,3% da reprodutora. “Fico muito satisfeito com essa parceria. Sou novo na criação de Angus, mas estou muito feliz porque, em termos de carne, não há como falar em melhor qualidade do que a Angus”, frisou Menotti. Auxiliando o amigo nas escolhas, Rodolfo Bonfiglioli Neto garante que o ventre seguirá nas pistas da Angus e que, em 2020, terá aspiração ou embriões à venda no Leilão da Fazenda São Marco. “A união dos criadores é importante porque permite que se tenha acesso a grandes animais como esse”, comemorou.

O remate, que foi chancelado pela Associação Brasileira de Angus, contou com a presença do presidente da entidade, Nivaldo Dzyekanski, que abriu as vendas da raça arrematando um lote inusitado de 60 embriões por R$ 75 mil. A inovação é que, neste ano, a Casa Branca permitiu ao comprador a escolha dos acasalamentos, podendo eleger entre todos os reprodutores da cabanha aqueles que mais lhe interessarem com garantia de até 20 prenhezes confirmadas. “O que se viu aqui foi uma mostra destacada da genética de um criatório que trabalha sério pela seleção da raça Angus”, elogiou Nivaldo. A ideia, pontua a criadora e nova geração à frente da Casa Branca, Fabiana Marques, é oferecer opções para que os clientes desfrutem ao máximo de suas compras. Outra inovação, citou ela, foi a realização do leilão em apenas um dia, concentrando a oferta de Angus, Brangus, Brahman e Simental e potencializando oportunidades.

Outro lote Angus que rendeu disputa acirrada foi a venda de 50% do touro PWM Venu 2377 Earnan, o primeiro reprodutor Angus do Brasil a receber o selo “Targeting The Brand”, concedido pelo Certified Angus Beef, dos Estados Unidos, aos animais com alto potencial para produção da carne de qualidade. A cota do animal foi arrematada por R$ 63.000,00 pelo criador Fábio Bertucci Nunes, de Inocência (MS).

Fotos: Carolina Jardine

Compartilhar
0 comentários on Casa Branca eleva médias em megaleilão em Minas Gerais